Voltar

Macrossetor da Indústria da CUT e TID-Brasil iniciam Ciclo de Debates

16 de Setembro de 2021

Sindical

Primeiro encontro vai discutir o papel da indústria no desenvolvimento, com palestra do professor da Unicamp e presidente do Instituto Lula, Marcio Pochmann

"Qual o papel que a indústria nacional pode promover para o desenvolvimento brasileiro?". Essa é uma das perguntas que vai guiar as reflexões no primeiro encontro do Ciclo de Debates promovido pelo Instituto Trabalho, Indústria e Desenvolvimento (TID-Brasil) pelo Macrossetor da Indústria da CUT (MSI-CUT), do qual faz parte a CNQ junto às confederações nacionais dos ramos metalúrgico, de alimentos, do vestuário, da construção e da madeira.

Dirigentes do ramo químico participarão da atividade, que será realidade em modo virtual, a partir das 10h desta sexta-feira (17/09).

Com o tema “Desenvolvimento Brasileira e Indústria”, o primeiro dos encontros, que serão realizados até 10 de dezembro, terá como palestrante o professor de economia e presidente do Instituto Lula, Márcio Pochmann.

Para o presidente da CNQ-CUT, Gerlalcino Teixeira, o Ciclo de Debates tem o propósito de, em uma conjuntura muito adversa, instrumentalizar as organizações sindicais para enfrentar o desafio de construir o desenvolvimento em cada região do Brasil e lutar por empregos de qualidade.

A coordenadora do Macrossetor e presidenta da Confederação Nacional de Trabalhadores e Trabalhadoras no Ramo do Vestuário, a CNTRV, Cida Trajano, destaca a importância de cuidarmos uns dos outros nesse momento de pandemia, para além da representação política que cada integrante tem.

“Precisamos exercitar a nossa humanidade, nossa vida é muito valiosa, por que às vezes achamos que um companheiro ou companheira que foi demitido não pertence mais a classe trabalhadora e precisamos mudar isso”, defende a dirigente.

O presidente do TID-Brasil, Rafael Marques, pondera que esses trabalhadores e trabalhadoras que, até ontem, estavam na indústria são, hoje, os pequenos e médios empresários, os MEIs (Microempreendedor Individual) e outros tipos de precarização a qual todos foram submetidos com a reforma trabalhista.

“Temos um governo que não dialoga e o empresariado piorou muito a sua visão de país e de como exercer o diálogo social, especialmente com os trabalhadores e trabalhadoras”, afirma..

Ele relembrou os seminários, realizados em 2018 e que originaram o Plano Indústria 10 + Desenvolvimento Produtivo e Tecnológico e a necessidade de atualizá-lo.

“Esse conjunto de reflexões sobre o ambiente industrial brasileiro, com a desindustrialização que o Brasil tem vivido, se transformou nessas propostas de uma política de desenvolvimento econômico, para valorizar a indústria e conectar o País a esses avanços tecnológicos que se dão no ambiente industrial”, explica.

Em sua avaliação, o cenário só se deteriorou, desde então, com o fechamento de empresas importantes, como foi o caso da Ford e, portanto, há a necessidade de retomar e atualizar o Plano.

O Ciclo de Debates integra projeto de formação apoiado pelo Solidarity Center.

 

Veja o cronograma de atividades do Ciclo de Debates. Os encontros ocorrerão sempre às 10h da manhã

  • 17/09 – Desenvolvimento brasileiro e Indústria
  • 01/10 – Comércio exterior e indústria nacional
  • 15/10 – Indústria, meio ambiente e transição energética
  • 05/11   Indústria 4.0 no Brasil: limites e possibilidades e impactos no emprego, trabalho e renda
  • 12/11  O posicionamento dos segmentos empresariais brasileiros  desde 2016
  • 26/11 – Desafios e perspectivas das Micro e Pequenas empresas no Brasil
  • 10/12 – Apresentação da sistematização inicial do Plano Indústria 10+